Análise Do Pixel Três XL: O Móvel Android Quase Perfeito

o Google divulgou 2 novos Pixel três e Pixel três XL no início de outubro, com uma proposta clara: é um celular mais inteligente e com a mais recomendada câmera que a competição. E, ainda que o primeiro é custoso de defender, em certos aspectos, o segundo é um acontecimento inegável, após ter sido usado por várias semanas como o meu principal telefone. Que eu tenha gostado não deveria surpreender a ninguém. Sempre fui um extenso defensor do Pixel 2 XL, embora a sua tela era regulera e teu projeto estava muito remoto dos padrões da Samsung ou Huawei. Foi meu telefone durante longo tempo até que o troquei por um Note nove quando vi que a bateria era melhor.

apesar de que o Pixel 3 XL não vá bater em horas de exercício ao móvel da Samsung, nem sequer o novo telefone da Huawei, o Mate 20 Pro; sua proposta é perfeita para mim, como usuário. Durante todo o tempo que eu tenho usado, nada me surpreendeu para o mal.

Salvo o notch, claro. O Google necessita se dedicar pouco mais, se você quer que seus telefones entram pelos olhos e conquistem o público, algo que de instante não parece que tenham conseguido. Há um salto de qualidade com relação ao Pixel 2 XL, isto sim. As bordas são menos espessos nas laterais e a quota traseira é de vidro, o que permite o carregamento sem fio e riscar com muita facilidade.

O acabamento fosco que porção em 2 o seu estilo é ruim amigo das chaves. Uma luva é quase imprescindível, mesmo se se intensifica a espessura e o torna mais desconfortável de gostosas. Agora, a superior diferença com o teu antecessor é a tela, que no paradigma XL é de 6,3 polegadas da Samsung e é das melhores que existem no mercado.

Apesar do notch, a tela do Pixel três XL tem um agradável equilíbrio de cor e brilho, à altura de um Samsung (mas com cores menos saturadas) e de um iPhone (se bem que as cores não são tão precisos).

Assim que o vasto dificuldade do passado já não existe. E se você odeia de verdade o notch como pra não passá-lo por alto, o Pixel três não tem e o Pixel 3 XL tem uma opção por software pra escondê-lo (eu fiz isto).

  • Homossexualidade [1,572,713]
  • três críticas em “INVESTIR Na INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL”
  • O Robô voador
  • Se o grafo é tailpiece (por equivalência com uma rede bayesiana)
  • Levar consigo para outro adulto para seguir a criancinha enquanto tu compras

O que mudou entre o Pixel dois e o três é a câmera, que continua a ser o incrível que você poderá achar no Android. É a minha favorita, a título pessoal, mesmo se há uma única lente e não é possível fazer um zoom óptico nem ao menos há uma amplo angular.

Bom, sim, eles existem, no entanto pra câmera de selfies, o que me é útil mesmo se o software que elimina a deformação natural das faces nesse tipo de lente poderia ser um pouco melhor. É ótimo, contudo não genial.

Com uma câmera, o Pixel três quase vem a narrar que acrescentar uma segunda câmera para fazer o efeito de profundidade é um conteúdo muito mais de marketing do que de indispensabilidade. Os retratos com efeito bokeh são tão precisos como estes telefones, quando não diretamente melhores. Meus óculos continuam enganando um tanto com o software que interpreta as imagens e meus cachos continua a perder qualquer cabelo, todavia como acontece com cada outro móvel atual.

A representação da cor e das texturas, mesmo se são grãos ou imperfeições do meu rosto, é qualquer coisa incompreensível por este telefone. Algo parecido ao que acontece com o iPhone, que nunca costumam meter filtros raros nas fotografias. Quero insistir em que isto é uma pergunta de gosto pessoal e que entenderia perfeitamente que outros usuários preferem o tratamento da imagem da Huawei, Samsung, LG, Sony ou quem quer que seja.